Entrevista com João Sita - Supervisor de Efeitos Visuais

Artigo original do Ben McEwan

João é uma daquelas raras pessoas que é super talentosa, humilde e incrivelmente inspirador ao mesmo tempo. Sua longa e diversificada carreira na VFX abrange uma variedade de projetos de comerciais, TV e cinema, e o levou de seu país de origem o Brasil, até o Canadá, onde agora trabalha na Framestore Montréal.


Tive o prazer de trabalhar com João no Image Engine, onde ele compartilhou algumas lições valiosas e me ajudou na minha jornada sem fim para me tornar um artista melhor. Ele foi gentil o suficiente para compartilhar esta entrevista perspicaz comigo, que estou animado para compartilhar com você!


Nota: As seguintes respostas não foram editadas, para preservar a integridade das respostas do João.



Quem foi a primeira pessoa ou estúdio que pagou você para fazer VFX?

O primeiro pagamento que recebi foi trabalhando como Assistente de Laboratório de Vídeo em 1998 enquanto estudava Propaganda e Marketing em São Paulo, Brasil. Entre minhas funções, eu era responsável por gravar e editar todo o seu material e todas as palestras que a universidade hospedava em seu campus, bem como manter o controle de todos os seus estoques e manter os equipamentos (câmeras, equipamentos de iluminação, suítes de edição etc.). Eu também tive que ajudar os alunos em seus projetos e ser a pessoa a ajudá-los a descobrir seus roteiros, as filmagens e pós-produção. Foi uma experiência rica e incrível e definitivamente me ajudou a entender muito sobre como as coisas são feitas e todas as nuances da gestão de pessoas.


Que conhecimento ou conselho você gostaria de ter em seus primeiros anos de trabalho em efeitos visuais?

Para me envolver em um círculo muito maior de amizades e relacionamentos. Acontece que todos nós estamos longe de mudar nosso futuro e se você expande suas conexões, você definitivamente fica exposto a pessoas diferentes e com isso, projetos diferentes, necessidades diferentes e realmente mudam suas experiências e o quanto você pode se divertir enquanto se envolve em projetos paralelos. Eu tive a sorte de conhecer algumas pessoas fantásticas que levam minha vida em direções loucas, mas levei muito tempo para aceitar que às vezes você tem que deixar a vida te levar, em vez de planejar cada passo.


Conte-nos sobre o seu fracasso mais produtivo - algo que não foi bem planejado, talvez de uma forma negativa, que você acabou aprendendo.

Fui enviado para a China para supervisionar uma filmagem no meu primeiro dia de trabalho em uma nova empresa e, embora estivesse super empolgado com toda a oportunidade, estava completamente despreparado. Sem equipamentos (laptop, câmera, tripés), sem documentação, eu fui literalmente jogado na situação. Eu tive que obter o visto e resolver tudo em 1 dia e foi extremamente estressante, mas depois senti que estava pronto para fazê-lo.


Uma vez lá, a equipe falava 3 línguas diferentes e a comunicação foi muito lenta e, novamente, eu podia ouvir meu coração batendo quebrando o silêncio no set. Em última análise, levou um tempo para tudo e ajeitar e no final correu bem.


Com essa experiência, aprendi que você não estará totalmente preparado à medida que as coisas mudam e evoluem de maneiras que não seriam possíveis, mas é necessário estar totalmente ciente de suas habilidades e aprender à medida que você progride. Qualquer situação, sempre ajuda você a se relacionar com as pessoas e você é quem aprende mais com a experiência.



Qual foi o livro, artigo ou palestra TED mais memorável que você consumiu nos últimos 12 meses (ou memória recente), que causou impacto em sua vida?

Eu continuo assistindo Amelie (filme francês de Jean-Pierre Jeunet) a cada 2 ou 3 meses e cada vez eu sempre me vejo olhando a vida de uma maneira diferente, sempre de uma maneira mais curiosa e ingênua que eu realmente gosto. Ele coloca toda a minha experiência em perspectiva e me faz querer ser um pouco mais envolvente e viver tudo em um nível mais profundo.


Quem te inspira?

As pessoas com quem compartilho a maior parte dos meus dias no trabalho, suas origens e como elas são talentosas. Também adoro procurar inspiração na natureza e observar o que me rodeia, enquanto olhando para cima e à frente encontramos todo o tipo de coisas e muitas ideias vêm simplesmente da observação.


Frequentemente suportamos longos e duros momentos de Crunch Time* em nossa indústria - Como você permanece otimista, positivo e produtivo, e geralmente mantém uma qualidade de vida decente durante esses períodos?

Sempre que é Crunch Time, concentro-me no que precisa ser feito e no quanto é empolgante estar no programa, onde as coisas estão quase totalmente prontas. Eu costumo tratar esses momentos como "pequenos projetos dentro do show" para que eu possa me colocar em perspectiva, correr e chegar à linha de chegada.


Muitas vezes, durante esses períodos, algumas áreas da minha vida não recebem tanta atenção quanto eu gostaria, mas continuo focado no que estou fazendo e, finalmente, em como é FODA o trabalho que fazemos. Qualquer cena pode se transformar em um REEL SHOT*, você tem que estar lá para você e foco irá ajudá-lo com isso em qualquer circunstância.


Onde você gostaria de ver a indústria de VFX nos próximos 3 a 5 anos? Como você imagina chegar a esse ponto?

O futuro é tão imprevisível, mas vejo o VFX sendo usado cada vez mais em diversas áreas do entretenimento e da arte. A idéia toda de VR* sendo usada para treinamento é fantástica, apoiando exposições de arte mais criativas e, finalmente, aprimorando nossa própria experiência com o mundo, seja mostrando imagens inimagináveis ou simplesmente adicionando conteúdo a coisas que não tinham nenhuma.


Onde as pessoas podem descobrir mais sobre você e seu trabalho?

Eu entrei no Framestore e é incrível ver o legado deles no vfx e o quanto eles ajudaram a levar o VFX adiante.

https://www.framestore.com

Texto traduzido de https://benmcewan.com/blog/2019/03/11/interview-joao-sita-vfx-supervisor/

*

Crunch Time - Momentos finais de um projeto em que as pessoas têm que trabalhar longas horas para conseguir entregar o produto final.

Reel Shot - Falado normalmente para uma cena bem feita/incrível que mostra o talento do artista que poderá ser colocado no DEMO REEL

VR, Virtual Reality - Realidade Virtual

IMDb do João Site (inglês)

Site do Ben McEwan (inglês)

  • Facebook
Se inscreva para receber os posts.

©2020 Dama Invisível por anavfx.com